betway

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pessoas casadas são mais felizes do que as solteiras, mostra pesquisa

    Segundo dados, os níveis de felicidade são de 12% a 24% mais elevados em quem é casado em comparação com quem não é

    Enquete mostrou que pessoas casadas são mais felizes do que quem estava em outro status de relacionamento
    Enquete mostrou que pessoas casadas são mais felizes do que quem estava em outro status de relacionamento Klaus Vedfelt/GettyImages

    Madeline Holcombeda CNN

    Uma vida mais feliz depois de casar pode não estar apenas nos contos de fadas. Também está nos dados.

    Adultos casados relatam ser muito mais felizes do que aqueles em qualquer outro status de relacionamento, de acordo com uma pesquisa publicada na sexta-feira (9) pela Gallup.

    “Qualquer que seja a forma como analisamos esses dados, vemos uma vantagem bastante grande e notável em ser casado em termos de como as pessoas avaliam a sua vida”, disse Jonathan Rothwell, autor da pesquisa e economista principal da Gallup.

    De 2009 a 2023, mais de 2,5 milhões de adultos nos Estados Unidos foram questionados sobre como avaliariam a sua vida atual, sendo zero a pior classificação possível e 10 a mais alta. Em seguida, os pesquisadores perguntaram aos entrevistados qual seria o seu nível de felicidade daqui a cinco anos.

    Para ser considerada próspera, uma pessoa tinha que classificar sua vida atual como sete ou mais e seu futuro previsto como oito ou mais, de acordo com a pesquisa.

    Durante o período de respostas, as pessoas casadas relataram consistentemente que os seus níveis de felicidade eram mais elevados do que os seus colegas solteiros, com taxas entre 12% e 24% mais elevadas, dependendo do ano, segundo os dados.

    A lacuna existia mesmo quando os investigadores ajustavam fatores como idade, raça, etnia, gênero e educação, disse a pesquisa.

    A educação é um forte preditor de felicidade, mas os dados mostraram que os adultos casados que não frequentaram o ensino médio avaliam as suas vidas de forma mais favorável do que os adultos solteiros com pós-graduação.

    “Coisas como raça, idade, gênero e educação são importantes. Mas o casamento parece importar mais do que esses fatores quando se trata de algo como essa medida de viver a sua melhor vida”, disse Bradford Wilcox, professor de sociologia e diretor do Projeto Nacional de Casamento da Universidade da Virgínia. Wilcox revisou e editou a pesquisa da Gallup.

    “Somos animais sociais. E, como disse Aristóteles, estamos programados para nos conectar”, acrescentou.

    Uma diferença na forma como escolhemos parceiros

    Talvez a felicidade ligada ao casamento tenha algo a ver com o que as pessoas esperam dele, disse Ian Kerner, terapeuta matrimonial e familiar licenciado e colaborador de relacionamentos da CNN.

    “Na minha prática na última década, notei uma mudança gradual do ‘casamento romântico’ para o ‘casamento de companheiro’, o que significa que as pessoas estão cada vez mais escolhendo cônjuges que, no início, são mais como melhores amigos do que parceiros apaixonados”, disse Kerner por e-mail.

    Embora isso possa levar a problemas de atração, também significa que essas pessoas estão escolhendo parceiros com base em qualidades que, provavelmente, promoverão estabilidade e satisfação a longo prazo, disse ele.

    “No mínimo, o conceito de compromisso implica a experiência de estar ligado a outra pessoa. Na melhor das hipóteses, significa estar vinculado a alguém que seja uma base consistente e segura que estará ao seu lado diante de quaisquer adversidades”, disse Monica O’Neal, psicóloga de Boston.

    Preciso me casar para ser mais feliz?

    Há muito que podemos aprender com os dados, mas é difícil dizer se o casamento é a razão para níveis mais elevados de felicidade, disse Rothwell.

    Pode ser que as pessoas que possuem qualidades que tendem a levar a uma felicidade mais consistente sejam também aquelas que procurariam o casamento, disse a pesquisa.

    “Existe também, pelo menos para os homens, um ‘premium’ associado ao casamento, em termos de obtenção de rendimentos mais elevados”, disse Rothwell. “Há muito debate na literatura sobre se isso ocorre porque homens mais bem-sucedidos, charmosos e inteligentes, que possuem atributos que os levariam a ganhar mais no mercado de trabalho, têm maior probabilidade de se casar.”

    A qualidade dos casamentos, no entanto, pode variar com base nas circunstâncias individuais, nas mudanças sociais e na perspectiva cultural do casamento, acrescentou.

    Por exemplo, em comunidades onde o casamento é, muitas vezes, uma necessidade prática, os dados mostram um efeito menor na felicidade do que naquelas onde os indivíduos se sentem mais capazes de escolher o seu status e parceiro, disse Rothwell.

    E O’Neal não imagina que estar em um casamento infeliz fará com que você se sinta melhor na vida em geral.

    “Ainda acredito que aqueles que têm casamentos infelizes são, provavelmente, menos felizes do que aqueles que são solteiros”, disse ela.

    Seja casado ou namorando, você pode otimizar suas chances de um relacionamento feliz comunicando bem o que o seu compromisso um com o outro implica, disse O’Neal.

    “Acho que nunca chegaremos a um ponto nas ciências sociais em que possamos dizer, com alguma precisão, se o casamento gera felicidade ou não”, disse Rothwell.

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original

    betway Mapa do site