betway

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Vídeo da Nasa mostra aquecimento da Terra e derretimento dos polos ao longo de décadas

    Representação artística mostra, ainda, a variação da concentração de CO2 no planeta durante um período de 20 anos

    Vanessa Romeoda Reuters

    Cortes drásticos no uso de combustíveis fósseis, cultivar florestas e comer menos carne são apenas algumas das ações necessárias nesta década para conter o aquecimento global a 1,5ºC acima das temperaturas pré-industriais, afirmou um importante relatório da agência de ciência climática da ONU, em 4 de abril de 2022.

    A máquina do tempo climático da Nasa mostra mudanças em nosso planeta ao longo das últimas décadas.

    Esta visualização de dados mostra a distribuição global e a variação da concentração de dióxido de carbono (CO2) observada pela sondador infravermelho atmosférico (Airs) na nave espacial Aqua da nasa ao longo de um período de 20 anos.

    Os dados mostram um aumento contínuo do dióxido de carbono com o tempo, como visto na mudança na cor do mapa de amarelo claro para vermelho à medida que o tempo avança. Outra característica é a variação sazonal do dióxido de carbono no hemisfério norte, que é regida pelo ciclo de crescimento das plantas.

    Isto pode ser visto como uma pulsação nas cores, com uma mudança para cores mais claras começando em abril/maio de cada ano e uma mudança para o vermelho à medida que o final de cada estação de crescimento passa para o inverno.

    O ciclo sazonal é mais pronunciado no hemisfério norte do que no hemisfério sul, já que a maioria da massa de terreno está no norte.

    Apesar dos alertas sobre alterações climáticas emitidos pelo Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC) desde 1990, as emissões globais continuaram a aumentar na última década, atingindo o ponto mais alto da história.

    O resultado: as emissões globais estão no bom caminho para ultrapassar o limite de aquecimento de 1,5ºC previsto no Acordo de Paris de 2015.

    O verão de 2023 foi o mais quente já registrado, segundo dados do Serviço de Alterações Climáticas da União Europeia (UE) divulgados em setembro de 2023.

    O período de três meses, de junho a agosto, superou por larga margem os recordes anteriores, com uma temperatura média de 16,8ºC, 0,66ºC acima da média.

    Veja também: Estudo mostra que ondas de calor subiram mais de 600% em quase 60 anos

    A meta de manter o aquecimento global a longo prazo dentro de 1,5ºC está fora de alcance, dizem os especialistas em clima, com as nações não conseguindo estabelecer metas mais ambiciosas, apesar de meses de calor recorde em terra e no mar.

    Enquanto os enviados se reuniam em Bona, no início de Junho, para se prepararem para as conversações anuais sobre o clima deste ano, em novembro, no Dubai, as temperaturas médias globais do ar à superfície estiveram mais de 1,5ºC acima dos níveis pré-industriais durante vários dias, informou o Copernicus Climate Change Service (C3S), financiado pela UE.

    Agosto foi o mês mais quente já registrado em todo o mundo, o terceiro mês consecutivo a estabelecer tal recorde, depois dos meses de junho e julho mais quentes de todos os tempos, disse a UE.

    Temperaturas bem acima da média também ocorreram na Austrália, em vários países da América do Sul e em grande parte da Antártica em agosto, disse o instituto.

    Entretanto, o oceano global registrou a temperatura superficial diária mais quente alguma vez registrada e teve o mês mais quente em geral.

    Embora as temperaturas médias já tivessem ultrapassado temporariamente o limite de 1,5°C, esta foi a primeira vez que aconteceu no verão do hemisfério norte, que começa em 1 de junho. As temperaturas do mar também bateram recordes de abril e maio.

    Até ao final do século, sem uma ação climática agressiva, estima-se que o aquecimento global atinja os 2,8ºC.

    Mas mesmo ao nível atual de aquecimento poderemos ultrapassar vários pontos de viragem climáticos.

    A corrente oceânica que transporta o calor dos trópicos para o hemisfério norte, por exemplo, está agora no seu nível mais lento em 1.000 anos – comprometendo padrões climáticos históricos, afirma o último relatório multicientífico, que inclui contribuições do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e do Escritório da ONU para a Redução do Risco de Desastres.

    Quase metade da população mundial é considerada altamente vulnerável aos impactos das alterações climáticas – inundações, calor, secas, incêndios florestais e tempestades.

    Na década de 2050, mais de 1,6 mil milhões de habitantes das cidades irão sofrer regularmente com temperaturas médias de três meses de pelo menos 35ºC.

    O Ártico está aquecendo quatro vezes mais rapidamente que o resto do planeta. Isso está de acordo com uma análise publicada na Nature Communications Earth & Environment em agosto de 2022.

    Modelagens separadas feitas por especialistas mostram que, já em 2035, o gelo marinho do Ártico poderá cair abaixo de mais de 1 milhão de quilômetros quadrados durante o verão.

    betway Mapa do site