betway

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Trump optou por não agir contra invasão do Capitólio, diz comitê da Câmara

    Em extensa audiência, painel exibiu novos depoimentos de pessoas ligadas à Casa Branca, com mais detalhes sobre as ações do então presidente em 6 de janeiro

    Jeremy HerbMarshall CohenZachary Cohenda CNN

    O comitê da Câmara dos Estados Unidos que investiga o ataque ao Capitólio, em sua última audiência pública antes de setembro, apresentou novas evidências na quinta-feira (21), destacando a recusa do então presidente Donald Trump em condenar publicamente a insurreição que se desenrolava no Capitólio dos EUA ou a multidão violenta.

    A sessão do horário nobre – a oitava audiência das últimas semanas – focou nos “187 minutos” que se passaram entre Trump dizendo a seus apoiadores que marchassem em direção ao Capitólio e quando o ex-presidente finalmente disse a eles para “irem para casa”.

    A audiência foi co-liderada pela deputada Elaine Luria, democrata da Virgínia, e pelo deputado Adam Kinzinger, republicano de Illinois. Dois ex-assessores da Casa Branca de Trump que renunciaram imediatamente após o ataque – Matthew Pottinger e Sarah Matthews – testemunharam pessoalmente na quinta-feira.

     

    Aqui estão as principais conclusões da extensa audiência no horário nobre.

    Trump optou por não agir

    O comitê usou a audiência de quinta-feira para mostrar como Trump não apenas falhou em agir, mas optou por não o fazer enquanto assistia ao violento ataque ao Capitólio.

    Várias testemunhas com conhecimento em primeira mão do que estava acontecendo dentro da Casa Branca em 6 de janeiro disseram ao comitê que Trump não fez uma única ligação para nenhum de seus agentes da lei ou de segurança nacional enquanto a invasão estava se desenrolando, de acordo com informações inéditas e testemunho em vídeo reproduzido durante a audiência.

    O painel disse que “confirmou em várias entrevistas com líderes militares e policiais, funcionários do vice-presidente Mike Pence e funcionários do governo de DC: nenhum deles – nenhum deles – ouviu o presidente Trump naquele dia”, disse Luria.

    O comitê usou esse testemunho para argumentar que a recusa do ex-presidente em intervir equivaleu a um abandono de seu dever.

    Ex-funcionários que estavam com Trump enquanto ele assistia ao tumulto na televisão, incluindo o então advogado da Casa Branca Pat Cipollone e um assessor, Nick Luna, disseram ao comitê que não tinham conhecimento de que o ex-presidente fez qualquer ligação para agências que poderiam ter respondido à violência, incluindo o secretário de Defesa ou o procurador-geral.

    Keith Kellogg, conselheiro de segurança nacional de Pence que também estava com Trump naquele dia, testemunhou que nunca ouviu o ex-presidente entrar em contato com a Guarda Nacional. O conselheiro também reafirmou que estaria ciente se Trump tivesse feito tal pedido.

    Trump e Pence comentam resultados preliminares das eleições em novembro de 2020 / 04/11/2020 REUTERS/Carlos Barria

    Matthews, ex-porta-voz do governo, disse que conversou com a secretária de imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany, durante o tumulto, e “ela olhou diretamente para mim, e em tom abafado, compartilhou comigo que o presidente não queria incluir qualquer tipo de menção de paz” em um tweet que estava criando.

    “Para mim, sua recusa em agir e combater a multidão naquele dia e sua recusa em condenar a violência é indefensável”, disse Matthews na audiência.

    Esse testemunho se encaixa com outras evidências apresentadas na quinta-feira, como trechos do discurso de Trump em 7 de janeiro, onde ele tentou diluir um pouco da linguagem e disse a seus assessores: “Não quero dizer que a eleição acabou, ok?”.

    O Chefe do Estado-Maior, general Mark Milley, disse ao comitê seleto da Câmara que ficou surpreso com o fato de nunca ter ouvido falar de Trump enquanto o ataque ao Capitólio estava se desenrolando – sugerindo que sua falha em agir equivalia a uma abdicação de seus deveres como comandante-chefe, de acordo com um vídeo de seu depoimento.

    “Sabe, você é o comandante-chefe. Você tem um ataque acontecendo no Capitólio dos Estados Unidos da América e não há nada? Nenhuma ligação? Nada? Zero?” , disse Milley no vídeo.

    Perigo para Pence

    A audiência de quinta-feira apresentou novos e perturbadores vídeos e áudios mostrando como os seguranças de Pence se sentiam ameaçados enquanto tentavam evacuar o vice-presidente do Capitólio.

    O comitê descreveu o momento do perigo enfrentado por Pence e sua equipe, quando os manifestantes pediram o enforcamento do então vice-presidente quando ele se recusou a concordar com os esforços de Trump para tentar derrubar a eleição de 2020.

    Uma testemunha disse que os seguranças de Pence estavam tão preocupados com o que estava acontecendo que eles “começaram a temer por suas próprias vidas” e que fizeram ligações “para dizer adeus aos membros de suas famílias”.

    Ex-vice-presidente dos EUA Mike Pence é exibido em uma tela durante uma audiência do Comitê em 21 de julho / Getty Images

    A testemunha era um profissional de segurança nacional não identificado que trabalhava na Casa Branca em 6 de janeiro, cujo depoimento em áudio foi mascarado para proteger sua identidade.

    “O vice-presidente está comprometido? Tipo, eu não sei. Não tínhamos visibilidade, mas se eles estiverem gritando e dizendo coisas, tipo, diga adeus à família… isso vai para um outro nível em breve “, disse o oficial.

    O comitê também revelou, pela primeira vez, o tráfego de rádio do Serviço Secreto enquanto os agentes avaliavam a escada do Senado por onde Pence seria evacuado, enquanto os manifestantes enfrentavam a polícia em um corredor no andar de baixo ao mesmo tempo.

    O vídeo exibido na quinta-feira juntou as fitas de vigilância com as imagens de segurança e o som dos seguranças do então vice.

    Contraste entre Pence e Trump

    Um foco da audiência do comitê seleto foram as ações que foram tomadas em 6 de janeiro, não por Trump, mas por Pence.

    O comitê enfatizou como Trump não tentou ligar para as autoridades policiais ou militares em 6 de janeiro, enquanto Pence – cuja vida foi ameaçada por manifestantes – “trabalhava nos telefones” falando com Milley e com o então secretário de Defesa Chris Miller.

    O comitê exibiu um vídeo do depoimento de Milley, onde ele disse que teve “duas ou três ligações” com Pence.

    “Ele estava muito animado e emitiu ordens muito explícitas, muito diretas e inequívocas. Não havia dúvida sobre isso”, disse o general. “Ele foi muito direto, muito firme com o secretário Miller: traga os militares para cá, traga a Guarda para cá, acabe com essa situação.”

    Mark Milley, general do Exército e chefe do Estado-Maior Conjunto, em Washington / 29/09/2021 Rod Lamkey/Pool via REUTERS

    Luria pintou um contraste direto com o que Trump fez em 6 de janeiro: “O presidente não ligou para o vice-presidente ou qualquer pessoa das forças armadas, policiais federais ou governo de DC”, disse a democrata.

    A comparação do comitê entre Trump e Pence ressalta como o então presidente ainda está irritado com seu vice em 6 de janeiro. Politicamente, Pence foi contra Trump em várias primárias republicanas antes de uma possível disputa presidencial de 2024.

    O ex-vice já apoiou republicanos que rejeitaram as falsas alegações de fraude de Trump, incluindo o governador da Geórgia Brian Kemp – que derrotou um candidato apoiado por Trump – e o republicano do Arizona Karrin Robson, que está concorrendo nas primárias governamentais do estado.

    O comitê, que conta com dois republicanos “anti-Trump” como membros – Kinzinger e a vice-presidente do comitê, Liz Cheney, de Wyoming – descreveu Pence como uma das principais autoridades que enfrentaram Trump depois que ele perdeu a eleição de 2020.

    O comitê também incluiu em sua audiência na quinta-feira um clipe de Joe Biden em 6 de janeiro condenando a violência – no que foi um aceno sutil para Biden atuando como presidente.

    Comitê critica republicanos do Congresso

    O comitê fez várias críticas aos republicanos do Congresso durante a audiência, enfrentando o líder da minoria na Câmara, Kevin McCarthy, e outros aliados de Trump.

    O painel reproduziu clipes de áudio, divulgados anteriormente, onde McCarthy falou de suas conversas com Trump após 6 de janeiro e disse que estava pensando em aconselhá-lo a renunciar.

    O comitê também exibiu um vídeo do depoimento do genro de Trump, Jared Kushner, no qual ele diz que McCarthy “estava com medo” em meio à violência que se desenrolava no Capitólio quando os dois falaram por telefone em 6 de janeiro.

    Líder da Minoria na Câmara dos Deputados dos EUA, Kevin McCarthy, durante entrevista coletiva em Washington / Reuters

    Além disso, o painel destacou o senador Josh Hawley, republicano do Missouri que liderou a objeção do Senado aos resultados das eleições em 6 de janeiro.

    Imediatamente depois, o painel exibiu um vídeo mostrando Hawley correndo para fora do Senado – e o reproduziu uma segunda vez em câmera lenta para dar ênfase. Mais tarde naquela noite, Hawley forçou o debate sobre os resultados das eleições na Pensilvânia e votou contra a sua certificação.

    Os dois republicanos do painel, Kinzinger e Cheney, têm sido críticos de McCarthy, já que foram excluídos da conferência do Partido Republicano na Câmara. Ambos podem estar fora do Congresso no ano que vem: Kinzinger vai se aposentar e Cheney está enfrentando um adversário apoiado por Trump em Wyoming.

    O comitê já havia criticado republicanos do Congresso por seu papel em ajudar os esforços de Trump para derrubar a eleição, inclusive buscando indultos após 6 de janeiro. Os confrontos do comitê vão muito além das audiências: o painel intimou cinco republicanos, incluindo McCarthy, em um movimento inédito.

    Testemunho de Hutchinson

    A comissão forneceu novas evidências para respaldar o testemunho da ex-assessora da Casa Branca Cassidy Hutchinson, que descreveu publicamente as interações raivosas de Trump com integrantes do Serviço Secreto.

    Luria disse que o comitê tinha informações de duas fontes adicionais para corroborar parcialmente o testemunho de Hutchinson de que Trump atacou membros do Serviço. Uma das testemunhas, disse Luria, “é um ex-funcionário da Casa Branca com responsabilidades de segurança nacional”.

    Embora o indivíduo não tenha sido identificado, a deputada disse que o funcionário testemunhou que Tony Ornato, então vice-chefe de gabinete da Casa Branca de Trump e atual membro do Serviço Secreto, contou a ele a mesma história de Hutchinson – que Trump ficou “irado” quando Robert Engel, agente do Serviço Secreto, não o levou ao Capitólio.

    Cassidy Hutchinson, em depoimento ao comitê da Câmara dos EUA / Getty Images

    O testemunho de Hutchinson sobre Trump atacando seus detalhes do Serviço Secreto se tornou um ponto-chave que os aliados de Trump tentaram usar para desacreditar a investigação.

    A deputada democrata da Califórnia Zoe Lofgren, integrante do comitê, disse à CNN que Ornato e Engel contrataram advogados particulares para interagir com o painel.

    Vídeos e fotos nunca antes vistos dão vida a 187 minutos

    A audiência foi recheada de vídeos, fotos e áudios nunca antes vistos que reanimaram os horrores de 6 de janeiro e – surpreendentemente, 18 meses depois – abriram novos caminhos sobre o que aconteceu naquele dia. Nesse sentido, o painel cumpriu sua promessa de trazer novo material.

    Trechos não divulgados anteriormente de declarações em vídeo que Trump divulgou em 6 e 7 de janeiro, que mostravam o então presidente resistindo para condenar os manifestantes.

    O grupo bipartidário do Congresso, incluindo o então líder da maioria no Senado Mitch McConnell e a presidente da Câmara Nancy Pelosi, buscaram garantias de Miller de que a Guarda Nacional restauraria a ordem para que pudessem retomar os procedimentos do Colégio Eleitoral.

    Juntos, esses clipes criaram uma experiência atraente, que o comitê espera que capture a atenção do público e transmita sua mensagem. Afinal, o painel contratou um ex-executivo de TV para produzir as audiências e trabalhou com intimações e batalhas judiciais para obter material novo. Está tudo agora se encaixando.

    Audiências públicas serão retomadas em setembro

    O comitê fará uma pausa de verão em agosto e retomará as audiências públicas em setembro. “Nosso comitê passará agosto buscando informações em várias frentes, antes de convocar novas audiências em setembro”, disse Cheney.

    Os legisladores disseram que suas investigações seguem em andamento. No início da audiência, o deputado Bennie Thompson, presidente do comitê, disse que “continuamos a receber novas informações todos os dias”.

    O painel realizou oito audiências públicas até agora e obteve índices de audiência impressionantes na TV, ao mesmo tempo em que apresentou quantidades substanciais de novas informações prejudiciais sobre Trump e 6 de janeiro.

    Os membros do comitê disseram que pretendem emitir um relatório provisório também.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    betway Mapa do site