betway

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pilotos relembram como era pilotar o jato supersônico Concorde

    Símbolo de uma era, a aeronave foi o palco de histórias que envolviam alta tecnologia, luxo e glamour e muitos sonhos de infância se tornando realidade. Poucas pessoas integraram o seleto grupo de comando da aeronave comercial mais rápida da história

    O Concorde Foxtrot, o último construído, está exposto no em Bristol, na Inglaterra
    O Concorde Foxtrot, o último construído, está exposto no em Bristol, na Inglaterra Suzanne Plunkett/CNN

    Francesca Streetda CNN

    Em 21 de janeiro de 1976, o adolescente John Tye estava entre uma multidão de espectadores agarrados a uma cerca de arame, comemorando quando o primeiro voo comercial do ConcordedaBritish Airways que partiu do aeroporto de Heathrow, em Londres.

    Tye ficou entusiasmado, maravilhado e inspirado ao ver este elegante avião supersônico do futuro subir aos céus e fazer história.

    Mal sabia Tye, cerca de 20 anos depois, que ele estaria sentado na cabine de comando do Concorde pela primeira vez, se beliscando de que seu sonho adolescente estava se tornando realidade.

    Tye relembra vividamente seus primeiros momentos voando no Concorde. Claro, ele passou por um treinamento extensivo, praticou no simulador – mas este era o negócio real. Era um sentimento para o qual ele nunca poderia estar totalmente preparado.

    Tye e seus companheiros pilotos de treinamento estavam em Sevilha, na Espanha. Era uma bela noite de quinta-feira – “o sol estava se pondo, dava para ver uma grande bola de fogo no final da pista”, como diz Tye.

    “Entramos e ligamos os motores, e sentir aqueles quatro motores Rolls-Royce Olympus ligando e a vibração do avião pela primeira vez foi absolutamente alucinante”, disse Tye à CNN.

    Tye sincronizou seu relógio com o capitão de treinamento e o engenheiro de voo. Então, eles fizeram a contagem regressiva e se prepararam para a decolagem.

    “É ‘três, dois, um – agora’, e eu empurrei todos os quatro aceleradores totalmente para a frente com minha mão esquerda e fui empurrado de volta para o meu assento – uma experiência que nunca poderia descrever, a aceleração quando você dispara pela pista”, ele diz.

    Então, o Concorde estava no ar, subindo. “Aqueles 20 minutos foram a experiência mais incrível da minha carreira na aviação. Foi absolutamente inacreditável”, diz Tye.

    No início

    O ex-piloto John Tye recorda como era voar um supersônico Concorde / John Tye/Arquivo Pessoal

    Por quase três décadas antes de se aposentar em novembro de 2003, a aeronave Concorde voou pelo céu acima do Atlântico em pouco menos de três horas e meia, voando com o dobro da velocidade do som.

    A maioria de nós só pode imaginar como era estar a bordo – afinal, essas aeronaves eram pequenas, com capacidade para apenas 100 passageiros por voo, e os preços das passagens eram exorbitantes.

    Se comparativamente poucas pessoas experimentaram como é viajar no Concorde, menos ainda conhecem a sensação de pilotar o avião de passageiros mais rápido a entrar em serviço comercial.

    A British Airways e a Air France foram as duas únicas companhias aéreas que operaram a aeronave. Diz-se que durante os 27 anos de serviço da aeronave, havia mais astronautas americanos qualificados do que pilotos do Concorde da British Airways.

    Quando Tye pilotou o Concorde pela primeira vez no final dos anos 1990, o avião já estava estabelecido há duas décadas. Peter Duffey estava lá desde o início, como um dos primeiros pilotos da British Airways selecionados para testar a aeronave.

    “Eu estava envolvido no desenvolvimento – voando com os pilotos de teste”, disse Duffey à CNN. “Voamos para a Austrália e o Canadá, transportando muitos passageiros”.

    Duffey, que agora está na casa dos 90 anos, aprendeu a voar como piloto da Royal Air Force durante a Segunda Guerra Mundial. Mais tarde, ele voou no de Havilland Comet, a primeira aeronave com motor a jato turbo, e um de seus sucessores, o de Havilland Comet 4. Quando o Concorde apareceu, Duffey era um piloto de treinamento estabelecido da British Airways no Boeing 707.

    British Airways lançou o primeiro curso para treinar pilotos para o Concorde em 1976 / Suzanne Plunkett/CNN

    “Sabíamos que o Concorde estava chegando e a maioria das pessoas ficou intrigada e queria entrar na aeronave. Então coloquei meu nome para isso”, lembra.

    Duffey ajudou a planejar o primeiro esquema de treinamento do Concorde e voou na aeronave até se aposentar em 1980. No início também estava o piloto Jock Lowe, que faz aniversário com o Concorde – ele completou 25 anos no dia em que o Concorde voou pela primeira vez em 1969.

    Lowe se lembra de ter assistido a aeronave na televisão naquele dia. “Pensei comigo mesmo: ‘Sim, é isso que vou fazer. Vou voar com o Concorde – sem realmente perceber o que era preciso’”, disse Lowe à CNN.

    Como Duffey, Lowe foi um dos primeiros pilotos da British Airways a testar o voo supersônico na RAF Fairford, uma base aérea militar no sudoeste da Inglaterra. “Foi um choque porque eu andei pelo hangar em uma manhã nublada de fevereiro na RAF Fairford – e nunca tinha visto o avião de verdade antes”, diz Lowe.

    Uma hora depois, Lowe diz que foi “solto” com o Concorde e foi “incrível”. “Subimos a cerca de 63 mil pés e começamos a lançar o avião”, lembra ele. Lowe diz que a sensação, uma analogia frequentemente ecoada nos círculos do Concorde, era “como ir de um ônibus para um carro esportivo de Fórmula 1”.

    Lowe acabou no primeiro curso de treinamento da BA em 1976 e ainda estava na frota Concorde quando se aposentou em 2001, ganhando o prêmio de piloto mais antigo do Concorde da British Airways.

    “Eu voei por mais tempo do que qualquer outra pessoa, por uma boa margem. Mas, como também tinha muitos empregos de escritório, não fazia tantas horas quanto alguns deles”, diz Lowe, que também atuou como diretor de operações de voo da BA.

    Voo supersônico

    O espaço era reduzido na cabine de comando do Concorde, mas era mantida aberta para visitas dos passageiros / Suzanne Plunkett/CNN

    Richard Westray, que pilotou o Concorde pela primeira vez em 1998, ecoa a comparação de Lowe do “ônibus para a Ferrari”. Ele diz que comandar um Concorde era diferente da sensação de pilotar qualquer outra aeronave.

    “Correr na pista pela primeira vez, acelerar para subir no ar foi uma daquelas experiências que você nunca esquece”, disse Westray à CNN.

    A sensação de velocidade durante as fases de aceleração foi simplesmente tremenda. O avião teve um desempenho que nenhum avião subsônico poderia ter

    Richard Westray, ex-piloto do Concorde

    Assim que o Concorde estivesse no ar, ele subiria rapidamente, “a 100 nós mais rápido que um jato subsônico comum”, como explica o ex-primeiro oficial do Concorde, Tony Yule.

    “Você provavelmente escalaria algo em torno de 2 a 4 mil pés por minuto, o que é realmente muito, muito rápido, até atingir inicialmente 28 mil pés”, disse ele à CNN.

    O Concorde não podia voar supersônico sobre a terra, então, após a subida inicial, ele operaria subsonicamente – embora a velocidade ainda estivesse “bem acima da velocidade de um 747”, como explica John Tye.

    Quando o Concorde chegasse ao Canal de Bristol, uma enseada a oeste de Londres que conduzia ao Atlântico Norte, os pilotos avisavam os passageiros e então a aeronave romperia a barreira do som.

    “Era isso”, diz Tye, “sem batidas, sem quebras, sem barulho e rolamento”.

    Yule descreve o momento em que o Concorde atingiu Mach 1 como “colocar uma faca quente na manteiga – ele desliza assim mesmo”.

    Mas a onda de choque subsequente criaria um pequeno pontinho que impactaria brevemente os instrumentos. “Os indicadores de velocidade vertical na cabine de comando dançavam um pouco quando a onda de choque supersônica passava por seus sensores externos”, explica Tye.

    Na cabine de comando, pilotos contavam apenas com mostradores analógicos / Suzanne Plunkett/CNN

    Isso, diz Yule, é como você “passa a saber que é supersônico”.

    Em seguida, os pilotos fariam um anúncio aos passageiros. “Senhoras e senhores, acabamos de atingir a velocidade do som, Mach 1. Bem-vindo ao mundo do voo supersônico”.

    “E então estamos com o dobro da velocidade do som e quase 60 mil pés na ‘borda do espaço’”, diz Tye. Ele se lembra claramente daquele momento em seu primeiro voo no Concorde. “Vi aquela curvatura da Terra e o céu negro acima de nós, levando ao infinito”, diz.

    Quanto a Lowe, ele passou quase três décadas pilotando o Concorde, mas diz que a sensação de “satisfação” com as maravilhas tecnológicas da aeronave nunca desapareceu.

    A tensão, a emoção dos primeiros voos, do primeiro ano, foi diminuindo gradativamente, mas nunca perdeu a empolgação. Sempre foi emocionante

    Jock Lowe, ex-piloto do Concorde

    Também foi, diz ele, sempre “divertido”. A atmosfera a bordo era sempre elétrica. “Todo mundo que trabalhou com ele, do andar do hangar para cima, todos tinham muito orgulho do avião e de acertar”, diz Lowe.

    O pequeno grupo de pilotos do Concorde também significava que todos se conheciam. Operando outras aeronaves, você raramente voaria com a mesma equipe, mas com o Concorde sempre havia rostos familiares na tripulação, diz Tye.

    “Havia apenas 134 pilotos do BA Concorde durante todo o tempo em que o avião estava em serviço, então era realmente um dia de folga com seus companheiros toda vez que você ia trabalhar”, diz ele.

    Cerca de 20 minutos após a decolagem, a tripulação de cabine começaria a atender os passageiros. Muitos deles eram passageiros frequentes, pessoas de negócios que “viajavam” de um lado para o outro do Atlântico. A tripulação reconheceria rostos familiares e saberia de cor a bebida de sua preferência.

    Depois de anteder os passageiros, a tripulação entrava na cabine. “Eles chegaram com três canecas de chá para cada um de nós – o capitão à esquerda, eu e o engenheiro de voo sentado atrás”, lembra Tye.

    Até agora, tão padrão. Mas houve uma reviravolta no Concorde. “Também na mesma bandeja havia três potes de alguns dos melhores caviar do mundo com uma colher de madrepérola cada um para comê-los”.

    Para aeronave de elite, voos mais recentes do Concorde usaram louças surpreendentemente simples / Suzanne Plunkett/CNN

    O status supersônico do Concorde também proporcionou aos pilotos um ponto de vantagem como nenhum outro.

    “No momento em que você está a 60 mil pés, você pode ver um quarto de milhão de milhas quadradas”, diz Lowe. “Então você pode realmente ver as coisas que viu nos mapas – lá estavam elas, de verdade”.

    Para Tye, também foi surreal decolar e pousar e ver multidões de pessoas fazendo fila para assistir. Isso o levaria de volta ao dia em que estava em Heathrow, assistindo à decolagem do primeiro voo comercial do Concorde.

    Em uma ocasião, Tye se lembra de um piloto da American Airlines que foi liberado para alinhar e decolar antes do Concorde perguntando se ele poderia pular seu lugar na fila, para que pudesse assistir a partida do Concorde.

    “Operar um Concorde fora de Heathrow foi simplesmente incrível, você podia sentir os olhos dos outros passageiros nos aviões subsônicos ao seu redor em Heathrow observando você, você podia sentir os pilotos desses outros aviões observando você”, diz Tye. “E aqui estava eu, taxiando o Concorde, em direção à pista 27R em Heathrow”.

    Encontros com celebridades

    Antes da cabine de comando ser fechada para passageiros após o 11 de setembro, a filosofia a bordo do Concorde era “um jato particular muito grande que estava sendo compartilhado por até 100 passageiros”, como diz Westray. “Portanto, tínhamos uma política de cabine de comando aberta”.

    A maioria dos passageiros eram empresários e os 20% restantes eram ricos, famosos e pessoas importantes. Westray se lembra de ter mostrado ao cantor Sting a cabine de comando em mais de uma ocasião. Era surreal, mas se misturar com celebridades fazia parte do trabalho no Concorde.

    O espaço era apertado dentro do Concorde. A configuração de assentos era de apenas quatro, com 100 assentos disponíveis por voo / Suzanne Plunkett/CNN

    “O primeiro grande nome que conheci – saí, abri a cortina da cabine e lá estava Elton John sentado na primeira fila”, lembra Tye.

    Tye se lembra de ter ficado surpreso com o quão bizarro foi o momento: “Eu fui ao Estádio de Wembley para vê-lo tocar para 100 mil pessoas em um show apenas algumas semanas antes”.

    Tye e John tiveram uma breve interação, mas Tye não consegue se lembrar de nada. “Eu estava muito chocado, para ser honesto”, ele admite.

    Depois disso, Tye fez uma anotação mental para si mesmo que, antes de sair para receber os passageiros em voos futuros, ele primeiro verificaria “se algum dos meus outros heróis estava por lá”, para que ele pudesse estar mais preparado.

    Essa estratégia lhe serviu bem – mais tarde ele conheceu as superestrelas Mick Jagger e Paul McCartney.

    Quanto a Lowe, ao longo de sua carreira de décadas no Concorde, ele transportou todos, de Muhammad Ali a Richard Nixon – “muitas pessoas que eu nunca, jamais, jamais sonharia em conhecer – estrelas pop, estrelas de cinema, de empresários à realeza”.

    Além dos voos regulares, o Concorde também realizou voos fretados para os VIPs. A principal diferença nesses voos, diz Lowe, era que “obviamente havia apenas um pouco mais de tensão e pressão para garantir que o avião partisse e chegasse no horário”.

    Ele se lembra de uma ocasião em que estava voando com a rainha Elizabeth II e o príncipe Philip do Canadá de volta ao Reino Unido. “Tivemos que desacelerar porque a temperatura na atmosfera superior significava que havíamos atingido os limites”, explica Lowe.

    Elizabeth II e príncipe Philip
    Rainha Elizabeth II e príncipe Philip foram passageiros do Concorde / Chris Jackson – 17.nov.2020/Getty Images Europe/Divulgação/Reuters

    A rainha percebeu e perguntou a Lowe o que estava acontecendo – por que a aeronave estava diminuindo a velocidade? A interação, diz Lowe, foi “muito divertida”.

    “Pude explicar um pouco – que não estávamos desacelerando muito e ainda chegaríamos a tempo”.

    Fim da linha

    A história do Concorde terminou em novembro de 2003, quando o último voo comercial pousou em um aeródromo de Bristol, no Reino Unido. Vários fatores levaram à aposentadoria do Concorde.

    Em 2000, um acidente fatal com o Concorde da Air France levou a uma investigação e a várias modificações na aeronave.

    Westray sugere que, embora o avião tivesse um histórico de segurança brilhante, alguns passageiros nunca recuperaram a confiança no Concorde. Ele conheceu um ex-passageiro frequente do Concorde no aeroporto JFK de Nova York pouco depois do acidente. O passageiro estava fazendo check-in em um voo da Boeing 747.

    “Ele se desculpou comigo e disse: ‘Nunca mais voarei com o Concorde’”, lembra Westray. “Ele disse: ‘Estou com medo disso’”.

    O Concorde dependia muito desses clientes regulares que cruzavam o Atlântico com frequência para trabalhar. Westray e Lowe dizem que vários passageiros frequentes do Concorde trabalharam no World Trade Center e morreram em 11 de setembro. Os ataques terroristas também afetaram a confiança global nas viagens aéreas em geral.

    E no início do século 21, o Concorde estava envelhecendo e havia custos significativos envolvidos na manutenção da aeronave.

    Richard Westray foi piloto do Concorde no final dos anos 1990 e início dos anos 2000 / Richard Westray/Arquivo Pessoal

    “Não fiquei surpreso por ter sido aposentado, eles o mantiveram funcionando o máximo possível”, diz Duffey. “Mas os custos de manutenção eram muito grandes”.

    “Teria que acabar em algum momento”, concorda Lowe. “Acho que foi um pouco prematuro, mas teria acabado quando veio a crise bancária em 2008, porque teríamos perdido metade dos nossos passageiros”.

    Tye diz que sua carreira no Concorde chegou ao fim sem que ele percebesse. Em agosto de 2000, ele estava prestes a decolar em Heathrow quando recebeu uma ligação dizendo-lhe para devolver o Concorde ao portão porque a BA estava aterrando a aeronave.

    “O que eu não sabia era que nunca mais voltaria para o Concorde”, diz Tye. “Por causa disso, eu não tinha nenhuma lembrança. Eu não tinha nenhuma lembrança significativa e planejava continuar voando no Concorde pelo resto da minha carreira”.

    Embora o Concorde tenha retornado por alguns anos antes de seu adeus final, nesse ínterim, Tye se tornou um capitão da BA Airbus e nunca mais voltou ao voo supersônico. O último voo do Concorde foi, para Tye, um “dia muito, muito triste e emocionante”.

    Foi um período muito emocionante, muitas lágrimas foram derramadas

    Richard Westray, ex-piloto do Concorde

    Westray se lembra de uma “despedida emocionada” do controle de tráfego aéreo em seu último voo de Nova York a bordo do Concorde, em 2003. Quando o Concorde acabou, Westray ficou grato por ainda ser jovem e poder treinar em outra grande aeronave e continuar sua carreira na aviação. Mas outros funcionários perderam seus empregos – principalmente os engenheiros de voo.

    Quando o Concorde foi lançado, esse era um trabalho importante da aviação, mas no início do século 21 esse papel estava se tornando obsoleto graças aos avanços da tecnologia. Lowe estava entre os pilotos do Concorde que se aposentaram quando o avião foi aterrado.

    “Foi um ponto de reflexão”, diz Lowe sobre esse período. “Eu não tinha certeza absoluta de que voltaria – embora tivesse absoluta confiança no avião”.

    Tye avalia que voos supersônicos é “algo que definitivamente pode acontecer de novo”, mas aponta que os motores precisariam ser mais silenciosos e eficientes em termos de combustível / Suzanne Plunkett/CNN

    Quanto a Tye, ele continuou pilotando aeronaves da British Airways até 2022. Com o passar dos anos e o número de ex-pilotos do Concorde ainda em serviço diminuindo, Tye foi cada vez mais bombardeado com perguntas sobre seus dias supersônicos. “Não era uma celebridade, mas era conhecido como piloto do Concorde”, diz ele.

    Nos voos, ele era regularmente questionado por um copiloto mais jovem, ansioso para saber tudo sobre o tempo de voo supersônico de Tye. Tye sempre gostou dessas viagens pela estrada da memória.

    “Eu ficaria encantado em compartilhar minha paixão e privilégio com eles e contar a eles tudo sobre isso – e eu tentaria acertar e saber quando calar a boca e não monopolizar os holofotes”.

    Sempre houve apenas duas mulheres pilotos do Concorde: Barbara Harmer, da British Airways, que faleceu em 2011, e Béatrice Vialle, da AirFrance, que ainda trabalha para a companhia aérea francesa. Tye conhecia Hammer e diz que ela era “absolutamente maravilhosa”.

    Embora a aviação ainda seja conhecida por ser uma indústria predominantemente masculina e de pessoas brancas, Tye diz que está animado ao ver o progresso nas duas décadas desde o voo final do Concorde. “Definitivamente, estamos nos tornando mais diversos”, diz ele.

    Futuro do voo supersônico

    Quase duas décadas desde o voo final do Concorde, o fascínio do voo supersônico não diminuiu, com empresas como a Boom Supersonic traçando planos para o sucessor do Concorde.

    Os ex-pilotos do Concorde têm opiniões divergentes sobre a probabilidade do retorno do voo supersônico. Lowe cita os obstáculos do “custo de desenvolvimento, dos materiais, do combustível”. Tye avalia que é “algo que definitivamente pode acontecer de novo”, mas aponta que os motores precisariam ser mais silenciosos e eficientes em termos de combustível.

    Visitantes no Bristol Aerospace podem examinar o Alpha Foxtrot Concorde de perto; Aeronave está em ótimos condições apesar de ter voado por 20 anos / Suzanne Plunkett/CNN

    “Não poderíamos ter motores Concorde agora, eles são muito barulhentos e consomem muito combustível”, diz ele.

    Westray diz que “poderia ser uma realidade, mas acho que está muito mais longe do que as pessoas pensam”. Mas de uma coisa ele está confiante – sempre haverá um desenvolvimento de aviação com visão de futuro acontecendo em algum lugar, de alguma forma.

    “Cientistas e entusiastas da aviação nunca param e sempre serão pessoas pressionando para expansão”, diz ele.

    Hoje, Tye diz que está grato por ter tido a oportunidade de realizar seu sonho de criança. Pilotar o Concorde era um trabalho incrível e todas as manhãs ele acordava animado e agradecido.

    “A maioria das pessoas na minha rua caminhava para a estação com suas bolsas, e eu entrava em meu carro para dirigir até o aeroporto e pegar um Concorde para Nova York. Então era uma emoção e uma empolgação todos os dias quando eu ia trabalhar”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    betway Mapa do site