betway

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Presidente da Câmara dos EUA poderia abrir impeachment contra Biden

    Segundo o republicano Kevin McCarthy, única forma de descobrir a verdade sobre alegações de corrupção que pairam sobre Biden é através de um inquérito de impeachment

    Stephen Collinsonda CNN

    A maioria republicana da Câmara está avançando como um braço totalmente armado da candidatura de Donald Trump a um segundo mandato na Casa Branca, enquanto tenta arrastar o presidente Joe Biden para um pântano de alegações de corrupção até agora sem fundamento.

    O presidente da Câmara, Kevin McCarthy, está pela primeira vez aquecendo publicamente a possibilidade de uma investigação de impeachment contra o presidente – em um momento em que Washington está se preparando para uma potencial terceira acusação criminal de seu antecessor. Ele lançou a ideia pela primeira vez na Fox News na segunda-feira (24), depois reforçou no Capitólio um dia depois.

    “Como você chega ao fundo da verdade? A única maneira de o Congresso fazer isso é por meio de um inquérito de impeachment”, disse o republicano da Califórnia a repórteres na terça-feira (25), embora não tenha anunciado formalmente tal investigação.

    As palavras do representante foram apenas o sinal mais recente de que a maioria republicana da Câmara está tentando criar uma contra-narrativa de corrupção com foco em Biden para aliviar a pressão de Trump, alvo de dois processos de impeachment, que enfrenta a perspectiva histórica de ser o primeiro ex-presidente a ser julgado criminalmente enquanto concorre a um novo mandato na Casa Branca.

    Talvez não por coincidência, McCarthy lançou a ideia de um inquérito de impeachment na véspera de uma audiência no tribunal em que Hunter Biden deve se declarar culpado de duas contravenções fiscais em um acordo judicial que também resolverá uma acusação de crime de arma de fogo se ele cumprir as regras impostas pelo tribunal.

    A palavra “impeachment” – dadas as suas conotações constitucionais – imediatamente enviou ondas de choque por Washington, mesmo quando levantou a questão um tanto fundamental de precisamente quais supostos abusos do cargo os republicanos da Câmara, que até agora não produziram nenhuma evidência concreta de delito, pretendiam colocar contra o presidente.

    VÍDEO – Procurador apresenta novas acusações contra Trump por documentos confidenciais

    Mas mesmo que não consigam produzir tais provas, os republicanos ainda podem ver uma vantagem em avançar para o impeachment durante esta era politicamente volátil, quando o fato e a realidade são frequentemente substituídos pelo que certos líderes políticos querem que seja verdade.

    Um drama de impeachment de Biden pode inflamar os eleitores da base do Partido Republicano, agradar os apoiadores da mídia conservadora e criar uma falsa sensação de equivalência sobre a conduta de Trump e Biden entre alguns eleitores já exaustos por anos de política amarga e polarizada.

    A aposta seria mais importante para Trump e os republicanos da Câmara, porque isso poderia desviar a atenção da tempestade legal em torno do ex-presidente.

    Ex-presidente dos EUA e pré-candidato presidencial Donald Trump / 07/07/2023 REUTERS/Scott Morgan

    A perspectiva de uma batalha de impeachment divisiva – no meio de uma temporada eleitoral já abalada pelas duas acusações de Trump – certamente aprofundaria as divisões políticas. Depois de apenas um impeachment presidencial nos primeiros dois séculos da história dos EUA, o de Biden seria o quarto impeachment em cerca de 25 anos se os republicanos da Câmara seguirem em frente.

    Tal cenário alimentaria temores entre alguns historiadores de que o processo não é mais um remédio constitucional raro de último recurso, mas está se tornando um reflexo partidário mais regular.

    Casa Branca desmentiu repetidamente as acusações do Partido Republicano

    Biden negou qualquer irregularidade. No mês passado, ele afirmou enfaticamente que não estava presente quando seu filho, Hunter Biden, teria enviado uma mensagem de texto a um parceiro de negócios chinês em 2017, alegando que estava sentado com seu pai.

    A Casa Branca também criticou o senador republicano Chuck Grassley, de Iowa, na semana passada, por vender informações “desmentidas” depois que ele divulgou um documento interno do FBI contendo alegações não verificadas de que Joe Biden estava envolvido em um esquema de suborno estrangeiro envolvendo a empresa de energia ucraniana Burisma enquanto ele era vice-presidente.

    O documento não continha nenhuma prova das alegações ou qualquer evidência de que Biden participou do trabalho de seu filho para a empresa. Também não há evidências de que o presidente tenha recebido dinheiro da Ucrânia.

    Mas a ação de Grassley desencadeou uma nova onda de cobertura crítica a Biden nas redes sociais e conservadoras, com potencial para confundir ainda mais o público.

    Presidente dos EUA, Joe Biden, cumprimenta o presidente da Câmara dos Deputados do país, Kevin McCarthy /Jacquelyn Martin/Pool via REUTERS

    Em outro sinal do forte desejo de ganharem o favor de Trump, os líderes do Partido Republicano na Câmara também têm considerado a possibilidade de ação legislativa para eliminar os dois impeachments de Trump – mesmo que tal movimento não tenha legitimidade constitucional.

    Esses novos sinais de que a maioria republicana na Câmara está marchando ao som de Trump destacam suas alegações de que ele é vítima de um esforço do governo Biden para armar o Departamento de Justiça para obter ganhos políticos.

    E em uma audiência no início deste mês, os aliados do ex-presidente criticaram o diretor do FBI, Christopher Wray, em meio à fúria conservadora sobre o papel da agência em uma investigação sobre o suposto manuseio incorreto de informações de segurança nacional por Trump. Trump está provisoriamente definido para enfrentar julgamento nesse caso em maio.

    A sensação de que o Partido Republicano está mais interessado em desencadear um espetáculo político no estilo Trump é reforçada não apenas por seu histórico legislativo bastante escasso, mas também por um impasse sobre um projeto de lei de política de defesa nacional recentemente aprovado.

    A versão da Câmara da Lei de Autorização de Defesa Nacional – que terá de ser reconciliada com a versão do Senado controlado pelos democratas – estava repleta de emendas sobre medidas sociais favoráveis, incluindo esforços para impedir o Pentágono de reembolsar despesas de funcionários que viajam para realizar abortos ou cuidados reprodutivos e proibir programas de diversidade, equidade e inclusão.

    Uma mudança de opinião sobre o impeachment?

    Durante meses, McCarthy desviou os pedidos de impeachment de Biden dos membros mais radicais de sua conferência. Em vez disso, o presidente da Câmara ponderou a possibilidade de um impeachment de um funcionário como o procurador-geral, Merrick Garland, ou o secretário de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas, que deve ser repreendido sobre a crise na fronteira em uma audiência do Comitê Judiciário da Câmara.

    Presidente da Câmara dos EUA, Kevin McCarthy, do Partido Republicano /REUTERS/Jonathan Ernst

    A equipe do Congresso da CNN informou, no entanto, que o presidente foi convencido por colegas de que, se ele vai gastar tempo e capital político no impeachment, pode muito bem mirar no alvo principal.

    Os republicanos da Câmara criaram uma torrente de insinuações e acusações, mas não apresentaram evidências de irregularidades que se elevassem ao padrão constitucional para impeachment de traição, suborno ou outros crimes graves e contravenções contra Biden.

    Vários comitês da Câmara tentaram, até agora sem sucesso, provar suas alegações de que Biden usou seu poder enquanto servia como vice-presidente para enriquecer sua família por meio dos contatos comerciais de seu filho.

    Os republicanos, citando alegações de dois denunciantes do IRS, a receita federal americana, afirmam que o Departamento de Justiça interferiu na investigação dos assuntos fiscais de Hunter Biden.

    Mas David Weiss, o promotor nomeado por Trump encarregado do caso, refutou as alegações republicanas de que foi forçado a pegar leve com o filho de Biden, dizendo que nunca foi negado a ele autoridade para apresentar acusações em qualquer lugar do país.

    Weiss se ofereceu para testemunhar em uma audiência do Congresso. O Departamento de Justiça disse que é importante para o povo americano ouvi-lo falar sobre “deturpações” sobre o caso.

    McCarthy pode achar difícil parar um movimento de impeachment

    Os comentários de McCarthy sobre o impeachment marcam a última ocasião em que ele apaziguou os setores mais direitistas e pró-Trump, dos quais depende seu controle estreito do martelo. Mas, ironicamente, sua receptividade ao flanco direito também corre o risco de alienar os próprios eleitores que apoiaram Biden em 2020, mas depois ajudaram a entregar o controle da câmara ao Partido Republicano nas eleições intermediárias do ano passado – embora com uma pequena maioria.

    Este é especialmente o caso, já que forçar os republicanos mais moderados a votar no impeachment de Biden seria essencialmente um gesto fútil. Os democratas controlam o Senado e garantiriam que não houvesse a maioria de dois terços necessária para condenar e destituir Biden após um julgamento na câmara.

    Presidente dos EUA, Joe Biden, em reunião com o presidente da Câmara, Kevin McCarthy / 22/05/2023. REUTERS/Leah Millis/File Photo

    McCarthy insistiu na terça-feira que estava apenas contemplando um inquérito de impeachment – em vez de uma campanha em grande escala para uma votação de impeachment – na Câmara. Essa abordagem pode ser uma maneira de convencer os republicanos mais moderados de que ele está apenas tentando acessar os poderes mais amplos necessários para obter informações da Casa Branca e de outros lugares que os inquéritos de impeachment desbloqueiam.

    Um legislador republicano vulnerável expressou hesitação sobre tal inquérito. “Não sei se defendemos um inquérito formal de impeachment ainda, mas quero que o comitê investigue isso”, disse o deputado de Nebraska, Don Bacon, na terça-feira.

    Mas se é uma caminhada na corda bamba entre os republicanos radicais que exigem impeachment e os membros mais ameaçados de McCarthy, tal decisão é algo perigoso. Dada a forma anterior – incluindo em várias concessões que o legislador da Califórnia ofereceu aos radicais para ganhar seu cargo – é difícil vê-lo enfrentando seus membros mais radicais.

    Apesar da escassez de evidências concretas contra o presidente, muitos legisladores republicanos de base, comentaristas conservadores da mídia e eleitores de base do Partido Republicano parecem já ter se decidido sobre a culpa de Biden.

    O presidente da Supervisão da Câmara, James Comer, por exemplo, insistiu que sua investigação havia desenterrado material abundante para sugerir irregularidades por parte do presidente, dizendo que sua investigação era como “rastrear um urso sangrando durante uma tempestade de neve. Há evidências em todos os lugares. O republicano de Kentucky não revelou a natureza de tais evidências.

    Enquanto a febre do impeachment está se espalhando nas bancadas do Partido Republicano na Câmara, os republicanos seniores no Senado não estão exatamente dando as boas-vindas à perspectiva. O senador de Dakota do Sul, John Thune, membro da liderança republicana da câmara, disse que considerou as acusações contra Biden “bastante preocupantes”.

    Mas ele acrescentou, em uma aparente sugestão de que um esforço de impeachment poderia sair pela culatra para o Partido Republicano, que “a melhor maneira de mudar o governo (é) vencer a eleição”. Referindo-se ao partido republicano na Câmara, ele acrescentou: “Não sei o que eles conseguiram ou quais evidências eles têm, mas são padrões bastante altos, todos nós sabemos”.

    O senador de Utah, Mitt Romney, que votou duas vezes para condenar Trump em dois julgamentos de impeachment, também se recusou a apoiar outro impeachment, mas aconselhou Biden a “ser transparente”, acrescentando que tal abordagem era a maneira de fazer “essas coisas desaparecerem”.

    O senador do Texas, John Cornyn, se recusou a dizer se achava que o impeachment era uma boa ideia, mas sugeriu que os democratas trouxeram esse destino para si mesmos. “Quando um presidente sofre impeachment duas vezes, o que vai, infelizmente, volta. Então, odeio nos ver nesse modo, mas é onde estamos”, disse.

    O senador da Carolina do Sul, Lindsey Graham, por sua vez, argumentou que o primeiro impeachment de Trump parecia impulsioná-lo com sua base, levantando a possibilidade de que o mesmo pudesse acontecer com Biden. Ele acrescentou, no entanto, que qualquer evidência ligando o presidente aos negócios de seu filho seria “uma virada de jogo, porque o presidente Biden negou ter qualquer interação em relação aos negócios”.

    Os republicanos ainda precisam mostrar que têm uma arma fumegante para usar contra Biden. Muitos de seus eleitores argumentariam que esse também foi o caso quando os democratas acusaram Trump. Mas em cada um de seus impeachments, havia uma narrativa clara de irregularidades e abusos de poder.

    Na primeira, o relato de uma ligação entre Trump e o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, mostrou o então presidente usando seu poder executivo, a perspectiva de ajuda militar dos EUA e armando a segurança nacional dos EUA para tentar coagir a Ucrânia a investigar um futuro oponente político – Biden.

    O segundo impeachment de Trump ocorreu após uma tentativa sem precedentes de derrubar uma eleição democrática que ele perdeu e um ataque da multidão ao Congresso por seus apoiadores, a quem ele disse em um comício para “lutar muito” antes de eles marcharem para o Capitólio.

    Não há nada tão claro para os republicanos usarem para tentar o impeachment de Biden. Mas isso não significa que eles não vão tentar de qualquer maneira.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    betway Mapa do site