betway

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Agricultores de maconha querem que governo da Colômbia legalize droga recreativa

    Governo colombiano e agricultores discutem alternativas para regulamentar a droga após iniciativa de legalização ter sido barrada no Congresso em junho

    Agricultores de maconha em protesto na Colômbia
    Agricultores de maconha em protesto na Colômbia Reprodução/CNNi

    Stefano Pozzebonda CNN

    Cajibio, Colômbia

    Em uma manhã recente de sexta-feira, cerca de 200 plantadores de coca e maconha se reuniram na pequena cidade de Cajibio, no sudoeste da Colômbia, para ouvir o governo do país, que ainda estava lambendo as feridas depois que uma iniciativa para legalizar a maconha recreativa afundou no Congresso 10 dias antes.

    Na reunião, funcionários do Ministério da Justiça apresentaram planos de como lidar com a crescente produção de cultivos ilícitos no país: construir melhores estradas e pontes para conectar os agricultores aos mercados legais, para que os cultivos lícitos possam ser vendidos com maior lucro e evitar que as pessoas cultivem drogas; um esforço do governo para legalizar os títulos de terra para formalizar os direitos do agricultor à terra em que trabalham e uma nova iniciativa para legalizar a maconha.

    Gloria Miranda, diretora de políticas de drogas do Ministério da Justiça, enfatizou que o governo queria regularizar os fazendeiros, mas Yulier Lopez, uma mãe solteira de 48 anos que representa um grupo de cerca de 800 plantadores de maconha e que colhe cerca de 250 plantas de cannabis, não estava muito interessada em ouvir. É hora de começar a atuar, disse Lopez.

    Mais de 200 mil agricultores de plantações de drogas vivem na criminalidade na Colômbia porque sua colheita é ilegal, de acordo com o COCCAM, um sindicato de trabalhadores que representa os agricultores envolvidos na produção de cocaína e maconha.

    Como a Colômbia tem sido uma linha de frente na guerra global contra as drogas nos últimos 50 anos, os agricultores frequentemente são visados nas políticas repressivas de drogas dos legisladores.

    Em 2020, o ex-presidente Ivan Duque tentou reviver as fumigações indiscriminadas de glifosato como estratégia para combater a produção de coca, embora o tribunal constitucional colombiano tenha proibido a prática há uma década devido aos riscos à saúde dos agricultores.

    A maioria dos agricultores presentes na reunião em Cajibio disse que foi forçada a vender sua safra para cartéis internacionais de drogas por falta de outras oportunidades e que temia retaliação tanto de seus clientes criminosos quanto de agentes da lei que poderiam processá-los por cultivo de coca.

    Ao contrário dos agricultores que colhem a folha de coca, ingrediente base da cocaína – o país andino é a maior fonte mundial da droga, cuja produção, comércio e consumo são proibidos pela legislação colombiana e internacional – produtores de maconha como Lopez se movem em terreno mais incerto.

    Yulier Lopez, uma agricultora na zona rural da Colômbia / Stefano Pozzebon/CNN

    O consumo de maconha foi descriminalizado na Colômbia em 1994 e cada residente colombiano pode colher até 20 plantas para uso próprio. Mas a venda de maconha continua ilegal fora das indústrias farmacêutica e têxtil, inacessíveis a pequenos agricultores como Lopez.

    “Para ser honesta, é um pouco ridículo: imagine que você é um agricultor em um país onde cultivar uvas não é ilegal e beber vinho não é ilegal, mas fazer vinho é criminoso… isso não faz sentido”, disse ela.

    O presidente progressista colombiano, Gustavo Petro, denunciou as políticas repressivas antes de assumir o cargo. Durante a campanha, ele prometeu proibir a erradicação forçada do campo de coca e criar um mercado legal para a maconha recreativa que pudesse permitir que os agricultores entrassem na economia formal. Seu tempo no cargo, no entanto, tem sido testado.

    Em 20 de junho, uma reforma constitucional para legalizar o comércio da maconha falhou por apenas um voto, uma das várias reformas apoiadas por Petro que foram derrubadas no Congresso este ano.

    Para Juan Carlos Losada, senador pelo Partido Liberal e um dos signatários da proposta, foi como perder uma final de Copa do Mundo no último pênalti. Ele culpa o governo de Petro por não pressionar a reforma no Congresso com força suficiente, mas diz que simplesmente chegar a uma votação final no Senado já conta como uma grande conquista.

    “Claro que não me arrependo de nada! A reforma constitucional foi o caminho certo e voltaremos a ela: temos um mês crucial pela frente para entender com quem podemos contar e quem pode nos ajudar a alcançar nosso objetivo”, disse Losada.

    Presidente da Colômbia, Gustavo Petro, discursa em Bogotá / 09/05/2023 REUTERS/Luisa Gonzalez

    A Colômbia realizará eleições regionais no final de outubro, o que significa que a maioria dos legisladores passará algum tempo em seu eleitorado fazendo campanha por aliados locais, e Losada sente que o tempo está passando para apresentar uma nova reforma constitucional antes que seus colegas saiam.

    Os opositores da maconha legal, como o líder da oposição e da direita, German Vargas Lleras, dizem que a maconha legalizada apenas levaria mais pessoas ao consumo de drogas e comemoraram o colapso do recente esforço de regulamentação.

    “Não somos traficantes”

    À noite, as colinas do famoso “triângulo das ervas” da província colombiana de Cauca são iluminadas por milhares de lâmpadas de alta intensidade, usadas para acelerar a maturação das mudas.

    Caloto, onde Lopez cultiva, é um dos cinco municípios da área conhecidos pela produção de maconha. Os números são difíceis de obter, mas a equipe de Losada acredita que mais de 80% da produção de maconha da Colômbia vem desses cinco municípios.

    Alguns dos maiores campos de maconha contam com dezenas de milhares de plantas, mas a maioria dos agricultores que fazem parte do grupo de Lopez prefere manter uma cota acordada localmente porque isso permite que eles façam parte do COCCAM, o sindicato nacional dos trabalhadores, para representação legal.

    Safras menores significam preços mais altos por unidade porque o foco pode passar para melhores práticas ambientais e de qualidade, diz Lopez, citando novamente a prática de fazer vinho como exemplo.

    Reunião entre o governo da Colômbia e os agricultores de drgoas em Cajibio / UNODC

    “Sabemos que, assim que formos legais, o verdadeiro desafio será o apelo do mercado: a erva orgânica é o futuro, e conosco o consumidor pode ter certeza de que nosso produto é 100% natural”, disse ela à CNN.

    No entanto, administrar o que é efetivamente uma denominação de origem protegida em um negócio ilegal pode ser complicado.

    Lopez espera que dentro de alguns anos seu produto possa ser vendido no mercado legal, mas agora ela ainda depende de canais ilegais para vender. Dizendo que não pode explicar com muitos detalhes como a colheita é vendida para organizações internacionais de tráfico de drogas, ela disse à CNN que uma rede de “mochileiros” trabalha na área de Caloto e compra flores secas e haxixe dos produtores.

    “Não somos traficantes de drogas”, disse ela à CNN, confessando que na única vez em que tentou fumar seu produto, teve uma reação alérgica que a manteve longe da maconha: “Se eu fosse uma narcotraficante, estaria falando com você? Eu viria aqui para ver o governo? A realidade é que, apesar de tudo, ainda só podemos vender para eles, por isso a legalização é tão importante”.

    Lopez concordou em usar seu nome real para esta matéria, confiando que a polícia não processaria uma agricultora de maconha, mas expressou temores de que cartéis de drogas ou organizações criminosas possam tentar fazer dela um exemplo, como líder da comunidade tentando fazer uma mudança em uma área com presença criminosa profundamente enraizada.

    Segundo a Human Rights Watch, 77 líderes sociais foram mortos em toda a Colômbia nos primeiros seis meses de 2023. Dos onze mortos em junho, quatro eram de Cauca.

    Reunião entre o governo da Colômbia e os agricultores de drogas em Cajibio / UNODC

    “Isto não é sobre mim ou sobre você ficar chapado”

    Luis Cunda, 31 anos, acredita que o maior benefício da legalização não seria a segurança, mas material. “Se o meu negócio fosse legal, eu poderia declarar impostos, ir a um banco e colocar minhas economias em uma conta bancária em vez de guardá-las em dinheiro comigo… Finalmente poderia fazer um investimento em imóveis”, diz Cunda, que é do município de Miranda, a uma curta distância ao norte de Caloto.

    Como muitos agricultores na zona rural da Colômbia, Cunda diz que não tem título legal sobre a terra que cultiva. “Eu herdei do meu pai, e aquela terra é minha, mas não há papel que impeça alguém de vir e tirar de mim”, disse ele.

    Cunda disse que não tem conseguido formalizar a reivindicação do terreno – nem sequer abrir uma conta bancária – porque a sua fonte de renda é ilícita, um obstáculo que compartilha com centenas de vendedores de maconha nos Estados Unidos, também impedidos de ter serviços bancários tradicionais.

    O exemplo de um número crescente de estados americanos que legalizaram a maconha recreativa nos últimos anos, assim como o Uruguai na América Latina, é um estímulo constante para os ativistas colombianos.

    Lopez diz que está em contato próximo com produtores de maconha no Uruguai, onde a maconha recreativa é legal para todos os cidadãos e residentes sob monopólio estatal, enquanto os legisladores estão olhando para o norte em vez de para o sul em busca de lições sobre regulamentação.

    Pessoas protestam pela legalização da maconha em Bogotá, na Colômbia, em 6 de maio de 2023 / Chepa Beltran/VW Pics/UIG/CNNi

    Em 2021, uma delegação de legisladores colombianos viajou a Denver para saber mais sobre a legalização no Colorado; entre eles estava Miranda, funcionária do Ministério da Justiça da Colômbia. Losada, o senador, trabalhou com o escritório do “czar” da maconha do estado de Nova York, Chris Alexander, quando elaborou sua proposta de reforma constitucional.

    Outra coisa que eles compartilham é que nem Miranda, Lopez ou Losada realmente consomem. “Não se trata de eu ou você ficar chapado, é sobre os agricultores e produtores”, disse Miranda.

    Em Cajibio, Miranda anunciou que o governo apresentaria “em breve” uma nova política antidrogas que incluía planos para legalizar a venda de maconha por ação executiva, ao mesmo tempo em que apoiaria ações legislativas no Congresso, como o projeto de lei patrocinado por Losada.

    Na semana passada, o ministro da Justiça, Nestor Osuna, recebeu representantes de associações de produtores de coca e maconha em Bogotá para compartilhar os resultados de vinte e cinco “espaços de conversa” como o de Cajibio, um sinal de que o governo pretende avançar apesar da derrota no Congresso em junho.

    Lopez, que fazia parte da delegação, ficou lisonjeada com a ideia de produtores de drogas conversando cara a cara com o ministro da Justiça, demonstrando otimismo de que ativistas de base como ela poderiam convencer os legisladores a apoiar a legislação até o estágio final.

    A tarefa não será fácil: nas últimas semanas, o governo Petro foi atormentado por uma série de deserções e escândalos pessoais que bloquearam o impulso reformador e exacerbaram as divisões na coalizão governista.

    Cuidar do campo e autorregular as produções ilegais já pode ser mais administrável do que transformar propostas em leis.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    betway Mapa do site