betway

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Após perder posto de asiático mais rico, indiano retorna ao clube dos US$ 100 bilhões

    Acusação de fraude fez Adani perder mais de US$ 80 bilhões

    O bilionário indiano, Gautam Adani
    O bilionário indiano, Gautam Adani Reuters

    Diksha Madhokda CNN

    Nova Déli

    Há um ano, a Hindenburg Research publicou um relatório contundente acusando Gautam Adani, então o homem mais rico da Ásia, de envolvimento em fraude ao longo de décadas.

    A Hindenburg disse que Adani assumiu uma posição vendida em suas empresas, o que significa que seria beneficiado se suas ações caíssem.

    O conglomerado do magnata denunciou o relatório como “infundado” e “malicioso”. Mas isso não conseguiu travar o colapso do mercado que, a certa altura, eliminou mais de US$ 100 bilhões do valor das empresas de Adani. Sua fortuna pessoal também foi abalada, desabando em mais de US$ 80 bilhões no mês seguinte à divulgação do relatório.

    Um ano depois, Adani parece ter se recuperado. As ações da maioria das 10 empresas listadas em seu grupo subiram este ano, com alguns recordes recentemente atingidos.

    Na quinta-feira (8), a sua riqueza ultrapassou mais uma vez o limite dos US$ 100 bilhões, de acordo com o Bloomberg Billionaires Index.

    “O grupo teve um desempenho excepcionalmente bom em várias frentes desde o relatório Hindenburg”, disse Manish Chowdhury, chefe de pesquisa da corretora StoxBox.

    “Agora [o conglomerado] é melhor administrado e eles aprenderam rapidamente com seus erros e lidaram bem com o brilho da mídia.”

    “Ataque” à Índia

    A Hindenburg Research, batizada em homenagem ao desastre do dirigível em 1937, acusou o Grupo Adani de “manipulação descarada de ações” e questionou as avaliações “altíssimas” das empresas Adani. A sua “dívida substancial” colocou o grupo “numa situação financeira precária”.

    O Grupo Adani respondeu com uma refutação que se estendeu por mais de 400 páginas, chamando a análise de “nada além de uma mentira” e acusando a empresa norte-americana de vender títulos e derivados negociados no exterior como fraude de títulos.

    O conglomerado também condenou o relatório como um “ataque” à Índia.

    Mas não foi a primeira vez que os analistas questionaram a expansão agressiva do grupo, alimentada pela dívida, em setores que vão dos aeroportos aos meios de comunicação.

    No entanto, desde o relatório Hindenburg, o grupo tem trabalhado na redução do seu endividamento.

    A sua dívida líquida diminuiu 3,5%, para US$ 21,73 bilhões, nos seis meses até setembro, de acordo com uma apresentação que fez aos investidores no ano passado.

    O Grupo Adani também atraiu quase US$ 5 bilhões de novos investidores estrangeiros, incluindo a empresa de private equity norte-americana GQG Partners .

    “No nevoeiro desta guerra, a nossa maior arma foi a liquidez adequada”, escreveu Adani num parecer publicado no jornal Times of India em 25 de janeiro, exatamente um ano após a publicação do relatório.

    “Para aumentar as nossas fortes reservas de caixa, fortificamos ainda mais a nossa posição financeira, levantando um montante adicional [400 mil milhões de rúpias ou US$ 4,8 bilhões] igual ao pagamento da dívida para os próximos dois anos, através da venda de participações nas empresas do nosso grupo a investidores de posição global imaculada, como GQG Partners e QIA”, acrescentou.

    O grupo ainda pagou antecipadamente mais de US$ 2 bilhões de dólares em financiamento ligado à margem, um tipo de empréstimo em que os promotores utilizam as suas ações existentes como garantia, o que “isolou e protegeu a nossa carteira da volatilidade do mercado”, escreveu o industrial de 61 anos.

    Volta ao topo

    O conglomerado recebeu outro impulso no mês passado, quando o tribunal superior da Índia ordenou que o regulador do mercado encerrasse rapidamente a investigação sobre o grupo, dizendo que não eram necessárias mais investigações.

    E embora, com US$ 100 bilhões de dólares, a fortuna pessoal de Adani ainda seja cerca de US$ 50 bilhões menor do que no seu auge em 2022 – quando ele destituiu brevemente Jeff Bezos como a segunda pessoa mais rica do mundo – isso o coloca como o 12º homem mais rico do mundo, logo atrás do compatriota Mukesh Ambani.

    Tendo abandonado a faculdade, Adani foi por vezes comparado a magnatas dos negócios como John D. Rockefeller e Cornelius Vanderbilt, que construíram vastos negócios monopolistas em 1800, durante a Era Dourada dos Estados Unidos.

    O indiano começou a sua carreira no comércio de diamantes antes de criar uma empresa de comércio de mercadorias em 1988, que mais tarde evoluiu para a Adani Enterprises, a principal unidade do grupo. Ele agora tem empresas em setores que vão do carvão à energia limpa.

    As preocupações ainda permanecem. Os críticos dizem que o retorno de Adani depende fortemente do capitalismo de compadrio, já que ele é visto como um aliado próximo do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi.

    Mas, por enquanto, os mercados estão apostando na capacidade de Adani de fazer crescer o seu negócio em setores que o Partido Bharatiya Janata, no poder na Índia, priorizou para o desenvolvimento.

    “O grupo está preparado para ter um bom desempenho em sectores que são importantes para o futuro econômico da Índia”, disse Chowdhury. “A maioria das questões levantadas por Hindenburg estão em segundo plano agora.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    betway Mapa do site