betway

Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Índia se ofereceu para ajudar com crise alimentar global; entenda o que deu errado

    País está entre os mais afetados pelos impactos da crise climática, de acordo com a autoridade de mudança climática da ONU

    Diksha Madhokdo CNN Business

    Um mês atrás, quando a guerra da Rússia na Ucrânia levou o mundo à beira de uma crise alimentar, o primeiro-ministro daÍndia, Narendra Modi, se ofereceu para ajudar os países que enfrentam escassez.

    “Já temos comida suficiente para nosso povo, mas nossos agricultores parecem ter feito arranjos para alimentar o mundo”, disse Modi em abril. “Estamos prontos para enviar o socorro a partir de amanhã.”

    O segundo maior produtor mundial de trigo depois da China não estava brincando. Nos 12 meses até março, a Índia lucrou com a alta dos preços globais, exportando um recorde de 7 milhões de toneladas do grão.

    Isso foi mais de 250% em relação aos volumes do ano anterior. Também havia estabelecido metas recordes de exportação para o próximo ano.

    Agora, essas metas elevadas foram abandonadas e as exportações de trigo banidas, pois as ondas de calor que ameaçam a vida no sul da Ásia prejudicam a produção e empurram os preços locais para níveis recordes.

    A medida chocou os mercados internacionais na segunda-feira (16) – ainda mais porque ocorreu poucos dias depois que a Índia garantiu ao mundo que a onda de calor sem precedentes não afetaria seus planos de exportação.

    Os preços globais do trigo subiram 6%, com as negociações de futuros em Chicago atingindo US$ 12,4 por bushel, o preço mais alto em dois meses.

    Os futuros do trigo caíram um pouco na terça-feira (17), mas ainda estão em alta de quase 50% desde o início da guerra.

    Embora a Índia seja um grande produtor de trigo — ainda este ano, espera-se que o país produza mais de 100 milhões de toneladas — a maior parte do grão é usada para alimentar sua população de 1,3 bilhão.

    Pela própria admissão do governo, o país “não está entre os 10 maiores exportadores de trigo”.

    Mas o alarme causado por sua proibição de exportação ressalta a fragilidade do suprimento global de alimentos.

    Como chegamos aqui?

    A invasão da Ucrânia pela Rússia contribuiu para um choque histórico nos mercados de commodities que manterá os preços globais altos até o final de 2024, disse o Banco Mundial no mês passado.

    Os preços dos alimentos devem subir 22,9% este ano, impulsionados por um aumento de 40% nos preços do trigo, acrescentou.

    Isso porque a Ucrânia e a Rússia juntas respondem por cerca de 14% da produção global de trigo e cerca de 29% de todas as exportações de trigo.

    Embarques vitais de exportações agrícolas, incluindo cerca de 20 milhões de toneladas de grãos, estão presos na Ucrânia porque Odessa e seus outros portos do Mar Negro foram bloqueados pelas forças russas.

    A Ucrânia está entre os cinco maiores exportadores globais de uma variedade de produtos agrícolas importantes, incluindo milho, trigo e cevada, de acordo com o Departamento de Agricultura dos EUA.

    É também o principal exportador de óleo e farelo de girassol.

    Mas a situação alimentar estava tensa antes mesmo do início dos combates na Europa.

    Cadeias de suprimentos emaranhadas e padrões climáticos imprevisíveis – muitas vezes resultado das mudanças climáticas – já levaram os preços dos alimentos ao seu nível mais alto em cerca de uma década.

    A acessibilidade também foi um problema depois que a pandemia deixou milhões sem trabalho.

    O número de pessoas à beira da fome saltou para 44 milhões de 27 milhões em 2019, disse o Programa Mundial de Alimentos da ONU em março.

    Após a promessa de Modi, muitos países vulneráveis ​​estavam apostando em suprimentos da Índia.

    “As exportações indianas de trigo são especialmente importantes este ano devido à crise Rússia-Ucrânia”, disse Oscar Tjakra, analista sênior de grãos e oleaginosas do Rabobank, à CNN Business.

    A “proibição reduzirá a disponibilidade global de trigo para exportação em 2022 e fornecerá suporte aos preços globais do trigo”, acrescentou.

    A reviravolta política de Nova Délhi em relação ao trigo já foi recebida com críticas de membros do G7, uma organização de algumas das maiores economias do mundo.

    Na segunda-feira, a embaixadora Linda Thomas-Greenfield, representante dos EUA nas Nações Unidas, disse que esperava que as autoridades indianas “reconsiderassem essa posição”.

    “Estamos incentivando os países a não restringir as exportações porque achamos que quaisquer restrições às exportações exacerbarão a escassez de alimentos” , disse ela em entrevista coletiva em Nova York.

    Protecionismo alimentar

    A Índia respondeu afirmando que as restrições são essenciais para sua própria segurança alimentar e também para manter os preços sob controle.

    A inflação anual na terceira maior economia da Ásia atingiu seu nível mais alto em quase oito anos em abril, um desenvolvimento que alguns analistas dizem ter desencadeado a proibição de exportação.

    O governo também disse que as restrições não se aplicam “nos casos em que compromissos anteriores tenham sido feitos por comerciantes privados” e a países que solicitem suprimentos “para atender às suas necessidades de segurança alimentar”.

    De acordo com Tjakra, essas exceções devem ser consideradas “boas notícias”, mas dificultam a avaliação do impacto que a proibição terá no comércio global.

    A “gravidade do impacto” da proibição “ainda dependerá dos volumes de exportação de trigo da Índia que ainda são permitidos no nível do governo e dos volumes de produção de trigo de outros produtores globais de trigo”, acrescentou.

    Alguns analistas na Índia dizem que permitir exportações irrestritas foi uma má ideia em primeiro lugar.

    “Não sabemos o que acontecerá com o clima na Índia”, disse Devinder Sharma, especialista em política agrícola da Índia, à CNN Business.

    A Índia está entre os países mais afetados pelos impactos da crise climática, de acordo com a autoridade de mudança climática da ONU, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

    Se as colheitas forem arruinadas por causa do clima imprevisível, a Índia pode ficar sem comida e ficar “com uma tigela de esmolas”, acrescentou Sharma.

    A Índia não é o único país que está restringindo as exportações agrícolas.

    Em abril, a Indonésia começou a restringir as exportações de óleo de palma, um ingrediente comum encontrado em muitos alimentos, cosméticos e utensílios domésticos do mundo. É o maior produtor mundial do produto.

    Apenas um mês antes, o Egito havia proibido as exportações de alimentos básicos, como trigo, farinha, lentilhas e feijão, em meio a crescentes preocupações com as reservas de alimentos no estado mais populoso do mundo árabe.

    “Com a inflação já em alta na Ásia, os riscos estão voltados para mais protecionismo alimentar, mas essas medidas podem acabar exacerbando as pressões sobre os preços dos alimentos globalmente”, disse Sonal Varma, analista do Nomura, em nota no sábado.

    Ela acrescentou que o impacto da proibição de exportação de trigo da Índia “será sentido desproporcionalmente pelos países em desenvolvimento de baixa renda”.

    Bangladesh é o principal destino de exportação de trigo da Índia, seguido por Sri Lanka, Emirados Árabes Unidos, Indonésia, Iêmen, Filipinas e Nepal, disse Nomura.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    betway Mapa do site